Orçamento Participativo
Regeneração urbana de Cabeço e Portomar
Com a evolução das populações e do território, existe a necessidade de reabilitar e requalificar os espaços públicos, de modo a poderem servir a população. As localidades adjacentes de Cabeço e Portomar não têm tido intervenções de manutenção ou construção há largos anos, tendo várias áreas suscetíveis de intervenção cujo impacto direto na qualidade de vida dos habitantes seria muito elevado.

Neste âmbito, as zonas identificadas para intervenção são:
a. Parque da Vala (Cabeço) – Construção de Parque infantil/geriátrico e um parque de merendas
b. Fonte da Bica (Portomar) – Instalação de novo fontanário
c. Largo 25 de Outubro (Portomar) – Instalação de parque infantil
d. Crossódromo do Carvalho (Cabeço) – Instalação de WC, água, luz, bancadas naturais e parque de pilotos

A regeneração de zonas-chave nas localidades de Cabeço e Portomar tem como objetivos:
- Promover e incentivar a revitalização da área de intervenção, adaptando-a às exigências atuais e com maior aproveitamento da paisagem;
- Desenvolver estratégias direcionadas para a fixação populacional e promoção de atividades nas áreas, reforçando a sua atratividade e incentivando o uso.

Local: Cabeço e Portomar
Proposta para a Construção de uma abrigo de animais errantes
PROPOSTA ORÇAMENTO PARTICIPATIVO


PROPONENTE
Abrigo de Carinho
Associação Amigos dos Animais


APRESENTAÇÃO DO PROPONENTE
Oficialmente constituída desde Janeiro de 2012, a “Abrigo de Carinho, Associação Amigos dos Animais”, nasceu do amor que um grupo de amigas do concelho de Mira pelos animais, e neste caso concreto, pelos cães.

O objetivo da associação é acolher cães abandonados ou perdidos, dando-lhes abrigo, alimentação, cuidados veterinários, quando necessitam, e, claro, carinho até encontrarem uma família definitiva.


APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA

A vontade de ajudar e salvar estes animais é o motor impulsionador de todos os que integram este projeto. O maior sonho seria construir um novo abrigo, um local onde os nossos animais, pudessem ter melhores condições, enquanto aguardam por uma família definitiva.

Assim sendo, a nossa proposta prende-se com a construção de um abrigo com as condições dignas para que os nossos animais possam aguardar por uma vida melhor.

O local onde acolhemos os nossos animais situa-se nas instalações da antiga vacaria, onde, aproveitando algumas infraestruturas já existentes, fomos fazendo pequenas e limitadas obras de aumento do espaço, à medida que aumentava também o número de animais. O local não possui electricidade, o que dificulta imenso a nossa atividade, principalmente durante o Inverno, impossibilitando uma maior supervisão dos animais. Além de que também nos impede a instalação de equipamentos necessários à prestação de cuidados aos nossos animais. Além da ausência de luz, a água chega até nós através de um furo, que não nos possibilita uma correta e eficaz higienização dos espaços. A água é levada até às diversas zonas por uma mangueira e armazenada em bidons. É depois através de baldes que a limpeza das alas é feita. Ora, se possuíssemos um sistema de água que nos permitisse limpar todos os espaços com água corrente, além de mais eficaz, a limpeza seria também mais fácil e rápida para que a faz.

Podemos ainda referir que não possuímos algumas zonas importantes e essenciais a ter num abrigo de animais. Não possuímos uma zona de recobro para as fêmeas esterilizadas, animais intervencionados ou doentes. Não possuímos uma zona isolada para animais com doenças infecto-contagiosas, zona também de extrema importância para a saúde de todos os animais que temos à nossa responsabilidade. E não menos importante, não possuímos um espaço onde os nossos animais possam ser visto, avaliados pelo veterinário ou submetidos a qualquer tipo de cuidados de enfermagem.

Cumulativamente a estas ausências, há também a necessidade de um escritório, um pequeno espaço, onde possamos ter a documentação referente a toda a logística que a gestão da Associação implica.

Neste momento, a Associação assume, além de um cariz solidário animal, uma vertente importante na preservação da saúde pública ao retirar estes animais das ruas, uma vez que o município de Mira não possui Centro de Recolha Oficial, sendo os animais encaminhados para nós.

Deste modo, esta proposta vai ao encontro da satisfação de todas estas necessidades que nós consideramos urgentes e, não menos importante, vai também ao encontro no novo enquadramento legal, que pressupõe a existência de uma Cento de Recolha Oficial.
A construção de um abrigo com electricidade e com um sistema de água eficaz. Com zonas de abrigo de animais construídas de forma a possibilitar um fácil acesso e visualização de todos os animais; zona de recobro e de quarentena; uma sala de apoio para vacinações, cuidados básicos de enfermagem e uma zona de escritório
Local: Praia de Mira
Requalificação do Largo da Igreja Velha
Esta proposta prevê a requalificação do Largo da Igreja Velha e zona envolvente de forma a melhorar a imagem urbana do centro do Seixo.

Pretende-se com esta obra contribuir para a melhoria estética do espaço actual, disponibilizando um espaço para todos e, principalmente para os mais idosos se encontrarem, conviverem ou jogarem; melhorar a circulação rodoviária e torná-lo mais polivalente, de modo a que seja possível neste local emblemático para o Seixo, a realização de vários eventos da freguesia.

Este projecto procura dotar a zona de espaços verdes; construir medidas físicas que promovam o controlo de velocidade e respectivas passadeiras pedonais; remodelar a sinalização vertical e horizontal melhorando a segurança nas artérias, reforçar a iluminação nocturna e erigir um monumento evocativo da Igreja Velha.
Local: Seixo
Quinta Lúdica-Pedagógica Intergeracional
Projeto “Quinta Lúdica-Pedagógica Intergeracional”
1. Introdução: O projeto propõe a requalificação das ex-instalações da Cooperativa Agrícola mirense, CRL (junto ao depósito da água), transformando o espaço um pouco “degradado” numa “Quinta Lúdica Pedagógica Intergeracional”, com atividades para os mais novos e para os “menos novos” (seniores).
Para o desenvolvimento de algumas das atividades lúdico-pedagógicas será fundamental a criação de uma Horta Biológica, um Mercado Solidário e também uma Cozinha Pedagógica. Pretende-se que a comunidade envolvente usufrua do espaço, nomeadamente as crianças (creches, jardins de infância e escolas do 1º ciclo) e os idosos (utentes seniores dos centros de dia e lares de idosos). Resumindo, a projeto enquadra-se na promoção de boas práticas pedagógicas e sociais, no fomento do diálogo intergeracional e na inclusão de cidadãos portadores de constrangimentos individuais.
2. Fundamentação: Numa fase em que o afastamento das várias gerações é cada vez maior devido a alterações da dinâmica familiar, o projeto “Quinta Lúdica-Pedagógica Intergeracional” reconhece a importância que as atividades intergeracionais têm na transmissão de valores e divulgação de conhecimento. Se por um lado as crianças e os jovens beneficiam de um aumento do interesse pela aprendizagem, de uma melhoria do relacionamento com uma geração mais velha e de uma desmistificação das representações sociais negativas, relacionadas com o envelhecimento, que têm vindo a emergir na nossa sociedade. Por outro lado, para os idosos, estas atividades fomentam a sua inclusão social, favorecem a sua auto-estima e promovem um envelhecimento ativo.
3. Objetivos: Objetivos Gerais:
> Promover o convívio intergeracional entre os idosos e as crianças Objetivos Específicos:
> Criar laços de afecto e solidariedade entre as crianças e os idosos;
> Permitir a inclusão de cidadãos portadores de constrangimentos individuais;
> Proporcionar momentos de partilha;
> Transmitir temáticas de tradição popular.
4. Público-alvo: Utentes das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), com valências de creche, centro de dia e lares de idosos e Jardins-de-infância e Escolas do 1º Ciclo do Concelho de Mira.
5. Atividades a desenvolver:
> Horta Pedagógica;
> Cozinha Pedagógica;
> Mercado Solidário;
> Atelier Alimentação Saudável;
> Oficina de Segurança
> Jogos tradicionais (coletivos e individuais);
> Expressão Plástica; > Expressão Musical;
> Dança/Expressão Corporal;
> Preservação da natureza;
> Comemoração de Dias Temáticos.
6. Orçamento: 50.000 Eur
6.1. Infraestrururas
> Instalações Como o objetivo é a requalificação de uma infraestrutura propriedade do Município de Mira (ex-instalações da Cooperativa Agrícola Mirense, CRL) a formação de exploração proposta será a cedência através dum protocolo de colaboração, uma vez que o projeto é de cariz social sem fins lucrativos. Para a requalificação das instalações e preparação do terreno afeto à Horta Pedagógica (situada nas traseiras da infraestrutura) prevê-se um custo estimado de 25.000 Eur.
> Equipamentos: Para adquirir os equipamentos necessários ao funcionamento da Quinta (equipamento administrativo, horta pedagógica, etc.) prevê-se um custo estimado de 15.000 Eur.
6.2 Recursos Humanos
Para a organização/ coordenação das atividades propostas serão necessários os seguintes recursos humanos:
> Um (a) Coordenador do projeto;
> Um (a) administrativo (a); Para os recursos humanos (1º ano de funcionamento) prevê-se um custo estimado de 10.000 Eur.

As atividades na “Quinta Lúdica-Pedagógica Intergeracional” serão desenvolvidas em regime de voluntariado através de parcerias/ protocolos com Entidades Oficiais e Instituições/ Associações do Concelho.
Local: Mira
Plano de Apetrechamento do Clube Náutico da Praia de Mira
Fruto do trabalho desenvolvido nos últimos seis anos no Clube Náutico da Praia de Mira, o número de atletas federados na modalidade de remo olimpico tem aumentado de ano para ano, tendo chegado a um número estável entre os trinta e os quarenta atletas. Atletas esses que, neste momento, vão desde os benjamins (idade entre os 9 e os 10 anos), até aos séniors (mais de 18 anos), tendo alguns dos séniors feito a sua formação no clube desde a categoria de infantis.
Naturalmente tem sido difícil acompanhar esse crescimento face às necessidades que o mesmo tem vindo a criar relativamente aos meios existentes.
Apesar do clube ter conseguido adquirir sete embarcações nos últimos três anos, no valor aproximado de 27.000,00€, ainda assim não conseguiu colmatar as lacunas de meios necessários ao normal funcionamento do remo olímpico, principalmente com o inicio de participação de equipas de juniores e seniors, em que a especialização a nível técnico é altamente exigente e obriga à aquisição de embarcações com elevada qualidade de construção.
Para alem das embarcações há outras carências pertinentes, como a falta de pontão de embarque, uma vez que o existente foi destruído pelo mão tempo dos invernos rigorosos dos anos anteriores. Impondo-se ainda que o mesmo seja flutuante, uma vez que o nível das águas muda constantemente e o pontão de novel fixo fica inutilizado com o nível de água elevado.
Por outro lado, também se torna essencial o apetrechamento ao nível do equipamento indoor, para permitir os treinos nos dias em que as condições climatéricas não permitam a actividade no exterior.
Por outro lado, uma embarcação a motor é essencial para realizar o acompanhamento dos atletas na água, para efeitos de treino e segurança, dado que a embarcação existente é insuficiente para o número de atletas atual.
Em suma, colocar o CNPM no patamar de competição desejável, não será possível sem o equipamento adequado.
Assim, apresenta-se a proposta de apetrechamento que passa pela aquisição do seguinte equipamento:
- 1 barco Shell 4 ou Quadri Scull, com remos: 15.444,99€
- 1 barco Shell2 ou Double Scull, com remos: 8.891,99€
- 1 barco iniciação Club A, Double Scull, com remos: 5.006,00€
- 5 ergometros Concept II – 5.625,00€
- 1 embarcação a motor Yam 340s, com motor Yamaha 15hp - € 4.341,99€
- 1 pontão flutuante marca Lindey Dock Kit – 7.773,60€
TOTAL da proposta: 47.083,57€
Local: Praia de Mira